(62) 3541-0849  |  (62) 98411-2718

Tratamentos


Endodontia (Tratamento de Canal)

A endodontia é o ramo da odontologia que trata das lesões e doenças da polpa (nervo) e da raiz do dente.


Compartilhe:      

O QUE É TRATAMENTO ENDODÔNTICO

A estrutura dental é constituída basicamente por três partes: esmalte, dentina e a polpa (nervo). Quando a polpa está doente ou sofre danos por cárie, traumatismo ou outros fatores, o tratamento endodôntico (ou de canal), é necessário.

 

O tratamento consiste na remoção do tecido mole (polpa) que se encontra na parte interna (canal) e pode estar vivo, sadio, inflamado, infectado ou necrosado/morto. Depois de se remover esse tecido, o canal é esterilizado e preenchido com obturação de material específico.

No interior de todos os dentes existe um tecido vivo que contém nervos e vasos, chamado polpa dentária. Quando a polpa é infectada por uma cárie ou uma fratura, a polpa se inflama e deve ser removida do centro do dente e dos canais de cada raiz. Uma vez que a polpa é removida, o restante do dente é preenchido com um material especial para obturá-lo.

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE ENDODONTIA

QUANDO O TRATAMENTO DE CANAL É INDICADO?

De modo geral, o tratamento é indicado em duas situações: Primeiro, quando a polpa vital (viva) se apresenta inflamada, com dor espontânea em decorrência de cárie profunda, trauma, fratura coronária (coroa do dente), retração gengival, etc. Segundo, quando a polpa perde a vitalidade (polpa necrosada) e compromete a estrutura que envolve a raiz, provocando inflamação da membrana periodontal e do osso.

QUAIS OS SINTOMAS MAIS CARACTERÍSTICOS?

Nos quadros agudos é a dor espontânea, isto é, o dente começa a doer de forma latejante. Em fases mais adiantadas da inflamação, a dor pode irradiar-se para regiões mais afastadas, sendo difícil distinguir qual o dente afetado. Neste caso, a polpa ainda está viva, porém inflamada, e o uso de analgésicos não resolve. Já quando há morte da polpa, geralmente a dor é bem localizada, havendo sensação de “dente crescido” e dor ao mastigar.

COMO SERÁ FEITO O MEU TRATAMENTO DE CANAL?

O tratamento de canal é feito em etapas, podendo ser realizadas logo na primeira visita ao consultório ou em mais de uma consulta, dependendo do caso. São elas:

  • Primeiramente, é feita uma abertura na parte posterior de um dente frontal ou na coroa de um dente posterior, molar ou pré-molar.
  • Em seguida a polpa infeccionada é removida (pulpectomia). O espaço pulpar e os canais são esvaziados, alargados e limpados, em preparação para seu preenchimento. Uma restauração temporária é colocada na abertura da coroa, a fim de proteger o dente no intervalo das visitas.
  • Para finalizar o tratamento, a restauração temporária é removida e a cavidade da polpa e os canais são preenchidos permanentemente. Um material em forma de cone (flexível) é inserido em casa um dos canais e geralmente selado em posição com um cimento apropriado. Uma coroa é geralmente colocada sobre o dente para restaurar seu formato e lhe conferir uma aparência natural. Se o dente estiver fraturado ou muito destruído pode ser necessário colocar um pino cimentado no canal antes da confecção da coroa.

O TRATAMENTO É DOLOROSO?

O medo que as pessoas têm do tratamento de canal já faz parte da história da odontologia, entretanto, com o uso de novas tecnologias e os novos conceitos direcionados para esse tipo de tratamento, reações como esta devem ser vistas como coisas do passado. Não se pode mais admitir tratamento de canal com dor. Existem soluções anestésicas e técnicas completamente indolores para anestesiar os dentes durante a intervenção.

QUAL A DURAÇÃO DO TRATAMENTO DE CANAL?

Um tratamento de canal pode ser completado em apenas uma consulta, ou mais freqüentemente em duas ou mais visitas ao dentista, dependendo da complexidade do sistema de canais e do grau de danos à polpa.

TODA DOR DE DENTE INDICA O TRATAMENTO DE CANAL?

Não. Uma pulpite (a inflamação da polpa), popularmente conhecida como dor de dente, pode ser classificada como reversível e irreversível. A pulpite reversível é caracterizada por uma dor de duração curta que se dissipa após a remoção do estímulo. Ela também é caracterizada por sensibilidade apenas a temperaturas frias e pode ser considerada uma dor localizada. Esse tipo de dor diminui quando removido o agente agressor, no caso a cárie. Portanto esses casos não necessitam do tratamento de canal. Se a pulpite reversível não for tratada, pode evoluir para uma pulpite irreversível e para este caso o tratamento de canal é indicado.

E SE O TRATAMENTO DE CANAL NÃO FOR REALIZADO?

Se o tratamento de canal não for realizado, a necrose da polpa pode se estender para a região do periápice, região além da ponta da raiz do dente, podendo ocasionar reabsorção óssea, formação de granulomas e cistos, além de afetar outros dentes adjacentes. Consequências mais graves, como uma bacteremia – presença de bactérias na corrente sanguínea – também podem ocorrer.

APÓS O TRATAMENTO DE CANAL, O DENTE PRECISA DE CUIDADOS ESPECIAIS?

Os dentes que receberam o tratamento de canal devem ser restaurados de forma definitiva imediatamente para evitar nova contaminação do seu interior. Nas restaurações podem ser usadas desde resinas compostas até restaurações metálicas fundidas, ou ser feito recobrimento total do dente com uma prótese dentária.

EXISTE ALTERNATIVA PARA O TRATAMENTO DE CANAL?

A remoção do dente é a única alternativa ao tratamento endodôntico. Embora pareça uma solução simples, o vazio deixado na arcada dentária causará problemas estéticos, de mastigação e fala, e ainda pode haver movimentação dos dentes próximos a essa falha. Esses problemas exigirão uso de implantes, próteses, entre outros.

 


(62) 3541-0849
(62) 98411-2718

Av. Deputado Jamel Cecílio, Nº 2.496 - Sl. B13, Edifício New Business Style - CEP 74810-100, Jardim Goiás
Goiânia - GO

[email protected]


Redes Sociais  
© 2017 - CDE Odontologia

Produção